sexta-feira , 19 outubro 2018

PAC monta estratégia interinstitucional para acompanhar casos críticos de dependência química

unnamed (Copy)O Ministério Público do Estado do Acre (MPAC), por intermédio do Núcleo de Apoio e Atendimento Psicossocial (Natera) implantou, está semana, em reunião com diversas instituições, a sala de situação que vai acompanhar casos críticos envolvendo dependentes químicos e moradores de rua.

A reunião, que contou com a presença de órgãos de segurança pública, saúde, assistência social, além de movimentos sociais, foi também uma oportunidade para selar o compromisso de buscar caminhos para construir uma atuação institucional conjunta.

Com isso, o objetivo do MPAC é dar uma atenção imediata e resposta concreta aos casos de pessoas que estão em situação de extrema vulnerabilidade decorrente do uso abusivo de drogas, como transtornos mentais e doenças graves, muitas vezes abandonadas pelos familiares ou então consideradas invisíveis pela sociedade.

“São pessoas que já não conseguem interagir com a realidade e que precisam de uma atenção diferenciada. Por isso que a gente chama de uma sala de situação, quer dizer algo focado, com base em informações para tomar decisões de casos críticos, que desafiam todas as áreas”, disse o coordenador administrativo do Natera, Fábio Fabrício Pereira.

Por sua vez, o presidente da Associação Brasileira de Redução de Danos (Aborda), Álvaro Mendes, entidade que trabalha com a redução de problemas relacionados ao uso de drogas, ponderou que o poder público precisa construir uma política pública inclusiva para esses usuários de drogas que estão mais vulneráveis.

unnamed (1) (Copy)“O MPAC está de parabéns por reunir gestores, movimentos sociais e outras instituições para a gente pensar de uma forma mais igualitária em todos os serviços, em forma de rede, para que tenhamos um atendimento com qualidade, mais inclusivo, com direitos dessa população, que é invisível. É muito importante porque a Aborda, em nível nacional, está junto aqui no Acre fazendo parte dessa iniciativa”, disse Álvaro.

Ao final do encontro, os vários atores presentes pactuaram que alguns casos apresentados serão objeto de estudo e de intervenção interinstitucional, sob o comando do Centro de Atenção Psicossocial (Caps 2), que trata de transtornos mentais.

Jaidesson Peres – Agências de Notícias do MPAC

Fotos: Clovis Pereira

 

Deixe uma resposta